quarta-feira, 11 de março de 2009

Brutal Brutalidade

BRUTAL BRUTALIDADE


É brutal a brutalidade do ignóbil ser que dedica tudo a ver mas não enxerga nada; o tempo que gasta é perdido, pois só conhece um sentido: o seu, que é o meritório, tão… que não envolve contraditório. Encarregar-se-á o tempo e o homem, igualmente arrojado mas amplo na cogitação e regular na respiração, expirando só depois de ter inspirado, de propor novas veredas e modernos (futuros velhos) caminhos.




Carlos Jesus Gil

10 comentários:

Táxi Pluvioso disse...

Segurança para todos.

(PS: Rafael não é o nome do cantor, mas uma fábrica judaica de armamento, o vídeo é um anúncio publicitário da mesma, e que resulta. Eu fiquei com vontade de comprar um míssil, coisa que não sucede quando vejo o anúncio dos corpos Danone). Boa semana.

águia_livre disse...

Vim agradecer a visita e o elogio que deixou lá no cantinho

Não ligue muito pois já sabe que os blogues desportivos são um pouco assim. Brincam uns com os outros, e brincar é salutar.

Também tem aqui um bonito blog.

Desejo-lhe as maiores felicidades e se o meu Benfica não for campeão, que seja o seu Sporting.

Estou a ser totalmente sincero. O Porto, jamais.

Um abraço
.

Darwin disse...

Essa brutalidade é preocupante e desprezível. Em vez de gravidade, exibem mesquinhez em extrema simbiose e cumplicidade. Uns matam, os outros nem moem. Uns atacam a democracia, outros só ofendem a minha inteligência. E, nessas veredas dos caminhos, o nosso parece tão distorcido, que me apetece dizer, BASTA!!!

leitor disse...

Mais um post fantástico, um hino ao não egoísmo e à não arrogância.

Mariazita disse...

O ser que se dedica a fingir que vê mas nada enxerga é ignóbil, sim, mas não passa de um (ser) entre muitos (seres).
Um dos meus poetas preferidos, Eugénio de Andrade, tem um pequeno poema, que, em poucas palavras, diz tudo. Começa assim:
“Passamos pelas coisas sem as ver/gastos, como animais envelhecidos…”
O Homem (humanidade) é cego por natureza, mas é um cego selectivo – vê apenas o que lhe convém.
Até quando os poucos “não cegos” o vão permitir?
Bjs
Mariazita

loirinhaquenãoédeaveiro disse...

Oi. Isto é complicado. Agora depois de ler o cemontário da Mariazita já compreendo. E é isso sim.

batutaemeia disse...

Pois se só conhece o seu sentido é mesmo ignóbil. temos que ter uma mente aberta.

stériuéré disse...

E quem é que por vezes não tem um momento em que apenas vê aquilo que quer vêr? ...........

Laurindo disse...

As pessoas tendem a ver só o que lhes convém.

Boas noites!

Daniel Savio disse...

Interessante o texto, sendo que tive a impressão que as duas filosofias (seja a do egoista, bem como a do inspirador) mesmo que contraditórias, acabam no mesmo ponto o da morte, mas com certeza será lembrado com carinho aquele que não foi egoista.

Fique com Deus, menino Carlos.
Um abraço.