quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Cuidado com os picos!

CUIDADO COM OS PICOS!




Ui, como o mar está bravo!... Carago, nem parece meu, este espanto. Eu, que nasci, cresci, brinquei e desbrinquei à beira-mar ainda me espanto com isto?! Genuinamente espantado me encontro com o meu espanto!! Então pois!... O mar tanto está bravo agora, como vai estar manso logo mais. É!, sempre assim foi; sempre assim será! E nada há de profético nesta palavras. Trata-se de pura lógica, facultada por uma revisita ao histórico, revisita esta muito bem acompanhada por um bom cozinhado de ingredientes diversos até mais não, mas que, cuidando o necessário das mexidelas e da intensidade do lume, redunda sempre em algo não só apetitosamente tragável, como nutritivamente imprescindível.
Caraças, mas o mar hoje está mesmo bravo!... Olha-me só prá quela onda!... Arre! Daqui a nada chega-me à varanda. Há muito que não via coisa assim. É, exasperação de mar não me rala… já de alguns dos seus picos de nervosismo não posso dizer o mesmo. É por isso que ás vezes há coisas. Devemos preparar-nos para os picos! Não, não é questão despicienda. Preparemo-nos!
…Mas… o mar fica lá para os lados da minha casa, e eu estou fora há tanto tempo! Mas c’a raio!


Carlos Jesus Gil

10 comentários:

Daniel Savio disse...

Carlos, sempre a ansiedade para quando algo sai fora da normalidade...

Pior é quando não estamos devidamente preparado paras estes picos que você fala.

Fique com Deus, menino Carlos.
Um abraço.

batutaemeia disse...

Isso. O Daniel diz bem, devemos estar sempre preparados para reagir aos picos. Deve fazer parte da nossa educação.

Mariazita disse...

Oi, Carlitos
Tens razão, há qt tempo!
O dito tempo passa...mas as recordações ficam. De vez em quando vêm à tona, e dão um ar da sua graça.
Mas td bem, o que é preciso é dinheiro no bolso e elegância no andar!

Estive a dar uma mirada, já que não passava por cá há uns dias :)
Não perdeste o estilo, não senhor, apesar da falta da minha preciosa presença :)))))))))))))

A Anita está a chegar ao fim. Tinha pensado "arrumá-la" este ano, mas não seu. Ainda vai estrebuchar mais umas vezitas no novo ano.
O livro...tá de chuva!

Se não nos virmos antes...goza o Natal em grande.

Um beijito
Mariazita

Je Vois la Vie en Vert disse...

"Não chega à veranda"... isto é bom sinal, quer dizer que a tua casa é à beira do mar... :D


beijinhos

Verdinha

AZUL DRAGÃO disse...

Amigo Carlos :

Se bem entendes a nostalgia eu , de igual modo ,
compreendo esse teu mar revolto .

Deita tudo cá para fora !

Mas , depois , não penses que
tudo está resolvido e o mar foge de ti .

Um abraço

raulus_brutus disse...

Os picos não são de mar, são de água. O mar é uma desculpa para água se expressar. Ou então nem isso...

Flor disse...

DANOU-SE!!!...
Eiii Srº Anónimo do coment ao post "carta", EU EXISTO!!!...confesso q o cansaço não me deixou perceber bem a de eu ser "Pseudónimo"?!?!...Olhe q devo ser caso raro então...pq tenho o nº mais importante de identicação neste País, nº de contribuinte e na hora de pagar impostos até q dava jeito ser tal!!!

Ja q aqui tou...
P´ Ti...

"Por vezes o destino é como uma pequena tempestade de areia que não para de mudar de direcção. Tu mudas de rumo, mas a tempestade de areia vai atrás de ti. Voltas a mudar de direcção, mas a tempestade persegue-te, seguindo no teu encalço. Isto acontece uma vez e outra e outra, como uma espécie de dança maldita com a morte ao amanhecer. Porquê? Porque esta tempestade não é uma coisa que tenha surgido do nada, sem nada que ver contigo. Esta tempestade és tu. Algo que está dentro de ti. Por isso, só te resta deixares-te levar, mergulhar na tempestade, fechando os olhos e tapando os ouvidos para não deixar entrar a areia e, passo a passo, atravessá-la de uma ponta a outra. (...) E não há maneira de escapar à violência da tempestade, essa tempestade metafísica, simbólica.
E quando a tempestade tiver passado, mal te lembrarás de ter conseguido atravessá-la, de ter conseguido sobreviver. Nem sequer terás a certeza de a tormenta ter realmente chegado ao fim. Mas uma coisa é certa. Quando saires da tempestade já não serás a mesma pessoa. Só assim as tempestades fazem sentido."

peciscas disse...

Assim como o mar tanto se irrita como amaina, devemos nós, também, ter por aí tesouras capazes de apararem os picos.

Anónimo disse...

Cuidado com os picos e cuidado com as picadelas das lacraias e das alforrecas.Mas tem razão senhor, se o mar está picado poderá dar-se o caso de se estar a aproximar tempestade. Por acaso já viu o Pico, o da ilha, a partir do mar? Deslumbrante! Aí não é preciso cuidado, quando o oceano está calmo, claro está, aí desfrute-se daquela beleza ímpar do arquipélago açoriano...
Saudações!

Graça disse...

Querido Carlos,

Os picos são como dizes... ralam :).

É raro, mas sempre imensamente bom rever-te. E agora que se esperam marés-cheias de burocracia, talvez ainda mais raro... e ainda assim bom :).

Um beijo imenso de carinho, porque gosto da tua companhia.