sábado, 28 de novembro de 2009

Carta

CARTA

Terra
25/11/2009



Desejada Laura:
Aqui o rapaz, já cheio de saudades de te sentir por inteiro, resolveu hoje, assim dum momento p’ró outro e a horas bem tardias e já bem entradito nos copitos, fazer aquilo que nunca fez: escrever uma carta de amor… ok, tá bem!, uma carta de desejo. Nunca o fiz a ti nem a qualquer outra. Nunca fui dado a essas coisas das cartas, até porque os bilhetes postais, ilustrados ou não, cumprem o mesmo dever com muito menos trabalho, admitamos… E depois as coisas são como são, não é, linda?, temos os telemóveis… e se a saudade... ok, o desejo, aperta mesmo, temos o pópó e fazemo-nos à estrada. Se ainda fosse naquele tempo dos aerogramas… Sim, é que os aerogramas encerravam qualquer coisa de mágico… às vezes de trágico! Olha, lê aquele livro do Lobo Antunes, aquele com um título assim todo p’ró intelectualoide, de capa dura, que andei a ler há uns tempos. Lembras-te? Houve uma vez, quando fomos acampar, que é como quem diz, pois ficámos num bungalow, p’ró Minho, e tu querias música mas eu preferi leitura. Lembras-te que me deste na cabeça com o livro que estava a ler, e que eu caí logo cama abaixo? Tu até que nem bateste com força, mas o livro é que era assim a modos que pesadote. Já estás a ver qual era o livro? Estiveste um tempão com ele na mão a praguejar contra a editora e a esconjurar o autor. Já te lembras? Pois, é esse. Morzito, a esse tipo de cartas eu até acho piada. A começar pelo papel; e depois pela razão… verdadeiramente válida!
Bem, mas hoje, ainda que seja a teclar e não a esferografar, estou a escrever uma carta… a ti, bela digna de tela! E faço-o pelo que supra se pode depreender, mas também porque não quero que, se as coisas um dia mudarem, pois, se os sentires de ambos tiverem um dia por destinatárias outras anatomias, não quero, dizia, que fiques sem algo documental bem guardado no forro de uma das gavetas da atávica cómoda que teimas em manter, algo aonde poderás dirigir-te de quando em quando, pode ser todos os dias, vá!, contemplar os bons velhos tempos e retemperar o ânimo. Daí que, ao perguntar-te como estás, se tens saudades minhas, como tem corrido a quinzena - considera formuladas as questões! -, te peça que, também em papel, à máquina, a computador, a lápis ou a esferográfica me respondas, tá? Eu pago o envelope de correio azul… De correio azul não, isso é muito moderno. Vou expedir esta em correio normal, e tu faz o mesmo por favor. É menos banal. Pago-te o envelope e o selo, tá? E ainda te levo a um aconchegozinho no meu colo no vaivém do balancé do parque infantil aí da terra, como tu tanto gostas. Sim, à hora em que há mais pessoal, sei… dá-te mais gozo!
Morzito, por hoje é tudo. Dá cumprimentos aí à malta, e de mim aquela ementa à Tromba Rija.
Resposta rápida e sentida, aguardo.
Bj oceânico do teu mais-que-tudo




Carlos Jesus Gil

16 comentários:

AZUL DRAGÃO disse...

Amigo Carlos :

Do "aerograma" ao "beijo oceânico"
vai uma floresta de desejo !

Um abraço

PS: Boa sorte para logo !

Flor disse...

...e mai nada.
Carlos Gil...nem postais ilustrados,nem telemóveis,até mesmo viagens de pópó substituem a beleza duma carta de Amor ou desejo...numa caixa de correio...

BOA!!!:)DE TOPO!!!

Daniel Savio disse...

Carlos, antigo tempo que escreviamos e enviamos cartas,agora tudo tão sintético e prático que perdeu até o encanto de fazer contato com alguém...

Fique com Deus, menino Carlos.
Um abraço.

Anónimo disse...

... e esta hem?!!!

batutaemeia disse...

E vivam as cartas de amor

Graça disse...

Uma carta de desejo nunca é ridícula, certo?

Um beijo de carinho [e terreno, tá? ;)]

Detective disse...

Eh lá!
Há moura na costa...

Flor disse...

...pois,não posso deixar de voltar aqui!
A diferença q existe qdo se lê um texto duma "alma" conhecida com a dum desconhecido...3 palavras-Carta-Aerograma-Lobo Antunes..."D´ESTE VIVER AQUI NESTE PAPEL DESCRIPTO"...
Hoje como qse todos dias da minha vida cá me encontro no Hospital;doutra forma;sentada ao lado duma cama onde observo neste momento O Homem q Amarei Eternamente,meu Idolo,minha força,Amigo,exemplo de vida,meu "pilar",o Ser de quem tto me Orgulho de chamar Pai,a dormir.Dorme pq estou aqui...cm qdo eu era criança e Adorava deitar-me ao teu lado e dormia pq estavas ali...Recordo ttos momentos...a minha infância q foi tão feliz...tu a brincares comigo...o dia q a mãe te ia "matando" pq em vez de acertares só as ptas do meu longo cabelo mandaste cortar à "rapazinho"...a tua alegria por eu ocupar o teu lugar na assembleia de freguesia e o meu medo de não estar ao teu nível...o teu sorriso qdo me colocaste as divisas de Adjunta de Comando Equiparado nos Bombeiros...qdo "lês" o cansaço no meu rosto me dizes claro q consegues e fiz a pós-graduação entrei no mestrado...o Teu Orgulho qdo mais uma vez eu salvava a vida de alguém...ajudava alguém e ouves dizer q sou a "melhor"...

Pai...o dia q fui ctgo ao convivio dos Militares e chorei ao ouvir tudo o q eu desconhecia até esse momento...tinhas 20anos enfiaram-te num barco com 1 arma às costas...20anos...um miudo e assististe a tudo aquilo...passaste fome,frio,ficaste ferido com estilhaços...Porem, descobri nesse dia,melhor confirmei,q o meu mau feitio é uma herança genética da tua parte;qdo o teu superior contou q se não fosses tu retaliar" Disciplina Disciplina o Car... meta-se lá o Srº q farto de Disciplina no meio do mato tamos nós" hoje não estariamos aqui...
É tão dificil estar deste lado e ng vê isso,amanhã vou trabalhar e se calhar vou ouvir mais uma vez "se fosse seu pai"...amanhã não vou tar aqui a cuidar de ti pq tenho q cuidar d´outros...

Hoje vou dizer mais uma vez,entre ttas, ao meu Pai o qto o Adoro...o Amanhã é incerto!!!Escrevam,Telefonem,Viajem...mas digam a todos q vos são importantes o qto o são...

Gil tu vais compreender...acredito q tenhas lido o livro de Lobo Antunes e compreendas onde tudo isto se encaixa!!!...Tb te compreendi neste post...

Pessoal se fosse eu atribuir o Nobel da Literatura,este tinha sido entregue a António Lobo Antunes,não a José Saramago.A diferença e lembra-te sp disto Gil está "em ver ouvir e falar sp com o coração"!!!...

Por Motivos q se depreendem vou ter q ficar afastada por uns tempos...mas não sem deixar um Abraço a todo Pessoal...com a certeza de q voltarei..."danada" como sempre!!!

leitor disse...

Flor, não te afastes!

K td corra bem com o teu pai e contigo!

Táxi Pluvioso disse...

Sem a foto (no Facebook) da Laura as cartas de "amor" perdem-se no vento de bits. boa semana

batutaemeia disse...

isto também não é propriamente uma carta de amor. É o Gil que o diz. É uma carta de "desejo". Uma coisa pode levar à outra. Tá porreira

Anónimo disse...

É uma pena ter-se perdido o hábito das cartas. O Mário Zambujal também fala nisso.

Anónimo disse...

Carlos,pergunto se Flor não é um pseudónimo seu?Ao ler a sua carta e o comentário tipo carta da Flor,relembro o livro referido pela mesma de Lobo Antunes em que o mesmo através de aerogramas se comunicava com a sua Esposa que abandona ainda na fase lua de mel a caminho de Angola.Os nomes das personagens usados por você(s) são diferentes deixando-nos a dúvida onde acaba a ficção e começa a realidade!Já demonstrou algumas vezes a capacidade de nos surpreender com a sua Mente Brilhante no enlear de certas histórias o que acaba mais uma vez de fazer.Continue Amigo que está no bom caminho

A. João Soares disse...

Neste início do mês festivo de Dezembro, o blogue Do Miradouro, deseja a este blogue, aos seus visitantes e comentadores um Feliz Natal, com saúde, pensamentos positivos, esperança no Ano Novo e fé num Mundo Melhor.
Abraços
João

Anónimo disse...

adorei ...gil devias escrever mais ...

LINA disse...

Gostei imenso ...
Quando escreves a proxima
um abraço