sábado, 29 de novembro de 2008

E o Alberto e o Albino também...

Espiei-os… e concluí: o Alberto - deste pouco sabia - e o Albino são, efectivamente, personagens de carácter dúbio! Devo, ainda assim, acabar já com a sua raça? Tenho para mim que não (não lhes direi por enquanto). Uma hipótese mais:




E O ALBERTO E O ALBINO TAMBÉM…


III

COMPARAÇÃO


Comparação:

… Pode até não ser tão boa, mas é boa. E, sendo boa, já me serve… De cerveja estou falando. Que a Leff é bestial; que a Hoegarden é do melhor; que as Chimay, Duvel e Guiness são de beber e chorar por mais; que a Rochfort e a Orval proporcionam tão inestimável deleite que até devia estar consagrada na Constituição a obrigatoriedade do seu consumo por todos os constituintes; que tudo o que supra disse, o disse com convicção (vá lá, nem tudo, pronto!), é uma coisa; agora eu afirmar que só estas é que servem!... “ E afirmaste, que eu bem ouvi”, “ É pá cala-te, Albino! Não tive há dias uma conversinha contigo? Chato do caraças; e para além de melga és mentiroso. Olha, faz-me um favor, vai jogar ao botão com o Alberto, tá? “, “ Sou maior, vacinado e dono da minha vontade, por isso…”, “ Carraça dum carago, deixa-me, por favor, acabar o texto! “, “ É pá, pronto, ok. Vou vazar. Olha, se vires o Alberto manda-lhe cumprimentos.”, “ Como é do teu conhecimento, tão depressa não farei questão de vos ver. Chau!”. Sacana do gajo, mas para que é que eu os inventei?!!! Bem, deixa-me mas é terminar isto depressa antes que ele volte. Ou mesmo o Alberto, que, embora menos chato, também não é de trato fácil. Vamos lá: pois, estava eu a querer dizer que nem só as finórias loiras, ou morenas, merecem a nossa garganta. Então, são fracas a Sagres e a Super bock?; já não prestam, é?... Malta, são boas; boas e mais baratas. Ora, sendo boas já me servem, não me bastam, mas servem-me… Dúvidas interditas!








PS Em qualquer Sociedade desenvolvida as Famílias são os alicerces; os Professores, os pilares!

Pressuposto: o recurso dos recursos é o recurso humano!




Carlos Jesus Gil

20 comentários:

Joe disse...

Deves ter apanhado cada bezaina de loiras ( cervejas, leia-se )na Alemanha que até já deves vir a cantar o tirolês. Eu gosto de super-bock. Acho este nome bock muito nineteen century.E escorrega-me melhor.Recomendo ao Alberto e ao Albino também.

Anónimo disse...

Ai amigo, se eu não soubesse que tu não passas do segundo meio-fino (de qualquer reles cerveja) e até quase acreditaa que a Alemanha te refinou o palato...

água do luso disse...

viva a super bock

Táxi Pluvioso disse...

... e os comerciantes o telhado.

Outra coisa diferente. Eles na casa dos papás.

Maria Zua disse...

Boa noite. Desta vez não te dou razão, não gosto de cerveja, é amarga e tem gás, fico-me pelos sumos e a água. Boa Semana. Bj.

stériuéré disse...

Conheço muitos Albinos e muitos Albertos, uns gostam e cerveja e outros nem por isso.
Eu, fico-me mais pelas bebidas brancas, tipo: caipiroscas, vodkas, bacardis, enfim....
mas, não critico quem gostar de cervejas. O problema de muitos é não parar quando é deviam.
Abraços ao Albino e ao Alberto.....
Fui.....

Anónimo disse...

Bom dia
claro que são boas , baratas e nacionais.Mas da que eu gostava mesmo era da ONIX....
Hoje em dia gosto muito mais de beber uma A.HENRIQUES ISSO SIM...

Darwin disse...

Eu para mim, cerveja, é Super Bock. Com todas as letras. Néctar suave e delicioso, cuja cor, por estranho que pareça, é amarela; Super Bock colhida da cervejeira antes do seu completo amadurecimento.

Inside Me disse...

sr. carlos gil!!!!!! obrigada pelos elogios, fiquei "red"...
obrigada mesmo pela presença e por gostar do inside. bjão!!!!!!!!!!!!

Anónimo disse...

DARWIN
tu gostas de super bock porquê?
pareçe que não és amigo do paulino.
quando vais a vialonga não gostas de SAGRES?

Anónimo disse...

ANÓNIMO DAS 9,21
Pareçe que a moda pegou . Já provaste com sumo de laranja ou redboul?
é um espectaculo!!!!
sabes que tenho um amigo (que por acaso é quem o vende)que diz assim:
"quero uma do melhor do mundo"!!!
ATIRA A CORDA PRA BALA JOÃO

Anónimo disse...

Nada, nada mas mesmo nada que chegue a uma mini 0,20 hiper gelada.
Medida certa, temperatura certa...cai sempre bem.

água lisa disse...

Só espero que o alberto e o albino não sejam nenhuns bêbados.

Je Vois la Vie en Vert disse...

Não sendo consumidora de cerveja, o meu orgulho belga obriga-me a emendar as pessoas que falam das cervejas alemãs ! A maior parte das marcas que citaste são BELGAS ! Existem 680 espécies de cervejas na Bélgica....
Cumprimentos ao Alberto e ao Albino. Tenho a certeza que apreciam as cervejas belgas !
Obrigada pela tua visita ao meu cantinho verde e pelas amáveis palavras que deixaste nele !
Abraços verdinhos

leão disse...

Então viva o sporting. será que o alberto e o albino são também lagartos. O narrador, carago, o gil é.

sp disse...

Olá!
Ainda te lembras de mim?
Um abraço peludo :)

Ana Maria disse...

Tenha uma noite de sonhos realizáveis.
1000 beijinhos!

Darwin disse...

Caro Anónimo das 17:53,
As primeiras prova arqueológicas que temos relativamente à produção de cerveja são provenientes da Mesopotâmia, mais propriamente da Suméria. Trata-se de inscrições feitas numa pedra, relativas a um cereal que se utilizava em algo similar à produção de cerveja. Afirma-se que a descoberta desta se deu pouco tempo depois do surgimento do pão. Os sumérios teriam percebido que a massa do pão, quando molhada, fermentava, ficando ainda melhor. Assim teria aparecido uma espécie primitiva de cerveja, como "pão líquido". Várias vezes repetido e até melhorado, este processo deu origem a um género de cerveja que os sumérios consideravam uma “bebida divina”, a qual era, por vezes, oferecida aos seus deuses. “Bebida divina”= Super Bock.
Em 2100 a.C. Hammurabi, o sexto rei da Babilónia, introduziu várias regras relacionadas com a cerveja no seu grande código de leis. Entre essas leis encontrava-se uma que estabelecia uma ração diária de cerveja, ração essa que dependia do estatuto social de cada indivíduo. Por exemplo, um trabalhador normal receberia 2 litros de Super Bock por dia, um funcionário público 3 litros de Super Bock, enquanto que os administradores e sacerdotes receberiam 5 litros de Super Bock por dia. A lei tinha como objectivo proteger os consumidores, de cerveja de má qualidade. Ficou assim definido que o castigo a aplicar por se servir má cerveja seria a morte por afogamento num depósito de 200 l dessa mesma cerveja.

maça disse...

Loira, preta, grande ou nini o certo é que já ia uma. Cervejas!!!!!! Venham elas(com moderação). Até na comida são boas. E com uns tremoçinhos.....hummmmmmmm

Anónimo disse...

com moderação