segunda-feira, 26 de maio de 2008

SELECÇÃO NACIONAL ESTÁGIO - PORMENORES

SELECÇÃO NACIONAL ESTÁGIO – PORMENORES TODOS
É bom estar a par de todos os pormenores do estágio da Selecção Nacional de futebol. O estado de espírito do grupo, a condição física dos jogadores, etc.
Pois, mas disso se encarrega a imprensa especializada. Aqui, a escrita é outra:

Repostagem




CARIDADE


Mesmo uma sociedade plenamente justa (o pleno na Justiça é, penso, pura utopia) não prescinde da caridade.
Caridade é dar dinheiro, pão, roupa, sim, é tudo isso mas muito mais: é visitar quem necessita de visitas; é saciar de companhia quem dela carece; é fazer sorrir quem não vê razões para isso; é tantas outras coisas que, como estas, nunca existem em suficiência…, por mais justa que uma sociedade seja.




Carlos Jesus Gil

104 comentários:

o que me vier à real gana disse...

e se alguns jogadores de futebol -daqueles que ganham montes..., como, por exemplo, quase todos os da nossa Selecção - fossem caridosos... ou mais caridosos?

Frank Zé pá disse...

É por isso que eu acho que é perfeitamente possível modificar o futuro. Por exemplo, eu ia agora dizer uma frase mas já não digo.

Geremias disse...

Se o futebol é o desporto-rei, qual é o desporto-presidente da república?

Anónimo disse...

e o Sr. Gana, pratica a caridade?

Amigo de todos disse...

Se os nossos jogadores fossem caridosos, pagavam eles as contas do alojamento em Viseu, em vez de o tirarem ao bolso dos portugueses, proque embora muita gente não saiba, somos nós que pagamos parte das despesas deles, como por exemplo, o quarto do sr. Mister que custa uma boas centenas de euros por dia. Atenção que apoio a nossa selecção, só não acho justo pagar o que eles bem podem pagar.
Tenho dito

Anónimo disse...

amigo de todos, desta vez o hotel é à borla. É a empresa proprietária do hotel que paga. Claro, é publicidade e da grande.

cristina disse...

Concordo muito com o comentário do senhor gana.

cristina disse...

Senhor geremias, está muito fixe.

moralista disse...

Ora aqui está um tema bom para meditarmos. O mundo do futebol está carregado de imoralidades.

ó calastricimo disse...

pk viraram. a caridade para o footebol? quer dizer, quando há campeonatos ninguem se lembra dos milhões que esse custa, dos milhões que eles ganham, o que interessa é ganhar, ganhar seja que taça for, de preferencia todas.
fazem-se de sócios, fazem viagens ao estrangeiro, muitos gastam o que não tem,(nós ñ temos nada com isso) e agora só eles é que podem fazer caridade ? por favor, não se menosprezem.
então e nós?
o que fazemos?
não nos compete?
sou contra as cestas de caridade e outras coisas desse género.
só se for cetas de amor.
porque não havia "pobres" no nosso pais nem na nossa terra,se cada um de nós ajudasse o que está perto de si.
tenho dito

cistina disse...

muito bem ó calastríssimo. Todos devemos ajudar no que podermos aqueles que necessecitam de nós.

ó calastricimo disse...

é só para vos dizer que assim como vós adoro o meu Sporting.
quando vos digo cesta de amor, não é carnal é apenas o ombro e a cana de pesca.

cristina disse...

Se o/a compreendi bem, mais uma vez muito bem ó calastríssimo.

ó calastricimo disse...

e quem é o ZÉ?

jose terra disse...

boas
E os outros?
sim!os outros.
são caridosos?
caridoso és tu , e tantos como tu...
não vale a pena masso , o mundo está assim , eles ao menos estão fardados...
os outros , são muito mais e ninguem os conhece ...
temos de tudo como diz o mé masso !!!
comparo os jogadores , deste gabarito , com os ciganos pois estão fardados...
eles de quem falo deveriam ser caridosos mas não tem tempo , todo é pouco ...
depois vais ver!!
está muito perto...

silvana disse...

É verdade, o calastríssimo ontem deixou aqui um desafio.

pescador do alto disse...

óra vem masso
agóra é qe tú acavaste cum túdo a faláre na nósa celeção. istu é qué purreirinho istu é ca málta gósta proque aqi acavamsse o mê benficasinho e o seportingue e o pôrto dus ôtros é túdo du mêmo. biba purtugale, bibó crestiano rónaldo e eses massos purtugêses qe ção o déco i o pépe. e bibó núno gômes e o belôso e ésa ôtra málta tôda. é masso êste é u têmpo queu cômpro o jurnal tôdolos días a vóla ó u récorde, gósto de lêre sôbre purtugale pá. i a nha vecicléte já tá tôda infitáda de vandêiras i cáxecóles pa ire nas carabanas cando agente ganha, é desmasiádo a alegría da malta cando á ma bitória da celeção. biba purtugale i us purtugêses.
agóra ésa coiza aí da caridáde tém máis qe se lhe diga. aqi o pescadore cando incontra um probezinho alijadinho ô um menino ruméno a bêndere penços arrânja sêmpere ma muédita pa pôre nu cabás ó pa cumprare um penço ó menino. é pá ê penço asim e gósto dajudáre us máis nassessitádus, mas tamém te digu cá práí munto inganadôre qe só qére é bibêre á custa de num fasêre náda. ma bêz aqi na práia tába ma séginha á pórta da bórdemáre a pedire ismóla máis um caxupito que debia de sêre fílho ô néto e o caxupito tába a tucáre sanfôna e a bélha a desêre déêm ma ismólinha á séginha de nassença déêm ma ismólinha á séginha de nassença e u pessuále qe pasába lá ía dixândo ma muédita né, túdo purreirinho pá, mas cando éla se birô pó caxupito i préguntô é repáz atão tú cumprásteme um pâo tan amarélo é pá istu é qe rebólta ma peçôa, atão séla éra séginha cumé qéla savia cu pâo éra amarélo? i ôtra bêz in ábeiro tába êu ó pé du café du gáto prêto i aprassêramme ums garôtos i garôtas a bêndere santinhus i a desere quéra pá cáza du pádre frêi gile da práia de mira, da práia de mira? preguntêi êu, e bocês tão tôdos na cáza du pádre frêi gile? i êles a desêrem tôdos qe cim i êu a preguntáre ás garutitas e bocês tamém? i élas a desêre cim cim nós tamém. á escamungádus ladrõinzitos desaparessamme da bista queu ainda bus carrégo á cassetáda, ólhim qe no pádre frêi gile num á meninas é só meninos. êles cumessáram a fugire caté us cálcanháres lhe vatiam nu cu. tás a bêre masso cus póvrezinhos num ção tôdos inguáis? á qe têre cáutéla néstas coizas, aqi o pescadore gósta máis darranjáre ums pixitos ô dáre ma sôpa cómenos savêmos qeles mátam lógo a málbáda e num gástam o denheiro mal gásto im cumederisses.

pescador do alto disse...

é calastríssemo andas pá í a gritáre e a préguntáre quim é u zé ólha ê fasselitute a coiza i dêichute aqi ma listra de zés qê cunhêsso. aí bái u zé calhóca, u zé du ilídiu du táxi u zé ábeiro u zé sapôrra u zé da lissa u zé manél futógrafu u zé ceiça u zé varróte u zé têicheira da várra u zé da qinta u zé maria da manuéla u zé vunéco u zézito dáparíssia u zé varrácu u zé fescále u zé lila u zé ráxa u zé itálo u zé gálo u zé negritu u zé da páula u zé vomveiro u zé cassão u zé imediáto u zé pintôre u zé frêire u zé perdis u zé via u zé xupêta e agóra dêichame resfulgáre mas se tu queséres inda tarranjo aí máis ums sinquênta. ólha se tu já tibéres sastisfêito agárra um dêstes i lébó pa cáza qué tudo maltinha da vôa e de cunfianssa.

Zíngaro disse...

É Maço. Isso é mesmo dar uma no cravo e outra na ferradura. Primeiro, tu fazes arregalar o pensamento da malta com a história das "gajas" para, no fim, lhe dares a volta. Agora vens com um tema que é mesmo de nos virar a cabeça. Não haverá "água no bico" com esta mudança de tema tão radical?

Anónimo disse...

Sim muitos dos jogadores de futebol ganham tanto que de insulto à sociedade se trata.

ó calastricimo disse...

já que não há muita gente a matar a tola por causa do Zé.
eu digo-vos que andei 2 dias para descobrir e não consegui.
pois então aqui vai.
se lá fora está uma ventania do caraças, pk k o Zé estava a morrer axfixiado?
muito simples digo-vos eu (agora k sei)
o famoso Zé não é nenhum amigo do nosso pescador do alto, este úm peixe.
A mesa, os vidros e a água no chão pé da mesa são do aquário, e ele como peixe morria axfixiado

Anónimo disse...

É malta, AINDA ESTOU A RIR.eSTE PESCADOT DO ALTO É IMPAGÁVEL.

Anónimo disse...

Tá muito boa, ó calastríssimo.

alfacinha disse...

Ainda bem que descobri isto. Nem nos gatos fedorentos ri tanto como já ri aqui. Estive a ver posts anteriores, alguns comentários são mesmo demais.

Anónimo disse...

Bem para falar a verdade e embora considere um exagero o que alguns ganham no futebol...ainda me escandaliza muito mais aquilo que através da política alguns "gamam"...ia para dizer roubam, mas isso poderia ser demasiado forte...ou demasiado óbvio...!!!

Vistas bem as coisas, creio que os futebolistas que ganham assim desse modo "bem largo"...não obrigam ninguém a pagar-lhes esses chorudos ordenados e ainda "dão" algum espectáculo em troca... que entretém muita gente...

Mas os políticos...o que nos dão em troca... a não ser dores de cabeça a muitos de nós...???

Quanto ao tema "a caridade"...é efectivamente um sentimento muito elevado...caridade, que deriva da palavra latina charitatis...que é o amor que "nasce" do coração e isto para nos fazer sentir, que a caridade não é ao que normalmente chamamos... quando damos por exemplo a tal moedinha (e quanto menor...melhor...!!)para que não nos acabem por fazer algum dano no carrito (o tal que dentro em pouco vai ser arrumadinho como objecto de estimação, não por causa do futebol...mas dos tais políticos...!!!)...

Possivelmente os meus amigos não estarão muito interessados nesta minha dissertação "a puxar ao sentimento"...

Mas estamos já a atravessar um período em que todos os que tiverem sentimentos de humanidade, deverão começar a pensar em fazer Caridade a sério, para mitigar o sofrimento de muitos dos nossos concidadãos...que neste momento já passam a pior das necessidades...a da fome...!!!

E deixem-me dizer uma verdade: é abesceno que alguém passe fome...apenas para que uns quantos (uma minoria...!!!)esteja cada vez mais gordos...

A "vingança" dos pobres seria talvez..verem alguns a morrer por excessso de comida...só que muitos dos que passam fome...já não vão viver...para assistir à vingança...!!!

Desculpem-me postar aqui em tons tão negros...quando a atmosfera já anda de si...tão carregada...!!

Obidense...

silvana disse...

Há jogadores de futebol cujo ordenado é mesmo um insulto Se ao menos esses todos fossem como o Figo, que fez uma fundação de ajuda!

silvana disse...

Senhor obidense, penso também que tem razão. Quanto aos sentidos da palavra caridade,o próprio autor do post fala da sua variedade. Não lamente ter comentado assim, fez muito bem.

Mirtota disse...

Eu tenho algumas reticências em relação à caridade. Dar sim, é um dever de qualquer um, mas apenas quando temos a certeza (ou pelo menos assim pensamos), que quem pede não consegue sustentar-se.
Vejam o Estado Português, com o rendimento mínimo a famílias que nem se preocupam em arranjar emprego, pois todos os meses recebem sem ter de se chatear muito.
Banco alimentar contra a fome para a Africa e Ásia, é uma utopia, os alimentos ou deterioram-se antes de chegar ao destino ou vão engrossar os bolsos dos governantes.
Prefiro fazer como dizia o filósofo, “se vires alguém com fome, não lhe dês um peixe, ensina-o a pescar”.

Amigo Gana, até é insultuoso falar da selecção (principalmente dos rendimentos dos jogadores) e depois postar-lhe com a caridade.

mélita disse...

mirtota, penso que a intensão do gana foi mesmo a de chamar a atenção para o insulto.

maisvaletardequenunca disse...

Ó silvana!!! Que inocente!! Coitadinho do figo!!!!!
Um dos futebolistas portugueses mais gananciosos, ele que simplesmente criou a fundação porque lhe daria beneficios fiscais!!!

maisvaletardequenunca disse...

E digo-vos mais: todo este assunto do futebol revolta-me. Não pelos jogadores, não pelos dirigentes ou clubes mas sim pelos que alimentam toda esta máfia. Esses todos que são os adeptos mais ou menos fanáticos e que permitem que quantias como as que vemos todos os dias no mundo do futebol sejam obscenas como são. Só de pensar na quantidade de gente que não tem o que comer ou um tecto para dormir e na diferença que essas quantias multimilionárias fariam na vida de milhares de pessoas no mundo. Enfim, é para isto que o mundo está virado!

branco das neves disse...

Fiel Amigo Sr. Gana

Se o brasileiro trabalhar os nossos jogadores da forma como o tem feito nestes últimos anos, duma coisa pode o Amigo estar certo: não seremos campeões de coisa nenhuma! Lá estaremos nós entre o sonho de sermos os melhores da Europa e o pesadelo de ficarmos pelo caminho na meia-final contra franceses ou gregos e depois ver todo um povo a chuchar no dedo. Má fortuna, azar ou incompetência, seja lá o que for que nos faz esbarrar às portas da glória e quedar-mo-nos, invariavelmente, pelo conceito de vitórias morais onde, aí sim, somos verdadeiros campeões! Enfim, aguardemos...

Já no campeonato da caridade não há ninguém que nos suplante. Inigualáveis entre os Povos! Solidários empedernidos, não conseguimos ficar quietos sempre que a desgraça bate a porta alheia, logo nos mobilizando através de não sei quantas organizações leigas, religiosas ou empresariais, para acudir a quem necessita. Característica imemorial do bom Povo Português se de calamidade de monta se trata. Porém, se for uma caridade mais comezinha a ser praticada mesmo ao lado da nossa porta, vastas vezes a coisa pia mais fino e mandamos trabalhar quem bons braços ainda nos parece ter para o fazer. Não é assim, Solidário Gana? Não que muitas vezes não tenhamos razões para tal desconfiança, a arte da mendicidade também evoluiu para parâmetros que, diria, se tornaram em autênticas formas de saque de ganhos fáceis, mas o que lhe quero dizer é que muitas vezes nos esquecêmos do verdadeiro sentido da caridade, o fazer o bem sem olhar a quem, para alinharmos em campanhas caritativas imbuídas de espírito de marketing onde a ideia do lucro próprio costuma também estar associada.
Digo-lhe Amigo Gana, tenho seguido um lema próprio e não me tenho desiludido com a sua prática: A Caridade não se procura, vem ter connôsco...

Boas noites a todos.

alberto joão disse...

Sim, temos que ajudar quem precisa. Mas quem pode trabalhar e tem trabalho, tem que trabalhar. Quanto aos futebolistas, pague-se-lhes menos.

Maria Roza disse...

Rais ma partão sê intemdo o caquêle óme leba na cavêssa. atão indó irupeo no cumessô já ele tãe a vissiclete infitada. ce tu ó mênos tebéces burgonha neças bintólas nim diço falabas proqe inda no a pagastes ó lélas. i ópôis? já birão bãe cantos zés é quele cunhesse? iço ficabame bãe a min cainda sô ma melher noba. agora a êle? i qer istu sêr um óme acim a cunhessêr tãtos zés. olha jágora abias de te ter alinbrado du zé gato, du zé itálo, du zé pi, du zé priôre, du zé chôcho, du zé dóla, du zé duminges, du zé ratito, e tamãe du manél zé cabia de cêr un ganda trinadôr pó nóço binficazinho da noçaialma.

o que me vier à real gana disse...

Zingaro, sei lá!? Analisa, perspicácia e inteligência não te faltam!

o que me vier à real gana disse...

Gostei de te voltar a ler, maisvaletardedoquenunca. Quanto ao Figo, será que é como dizes?
Silvana, não lhe leves a mal, ela é boazinha!

maisvaletardequenunca disse...

Mau!! mau!!
Mas afinal o que é isto????
Boazinha???

o que me vier à real gana disse...

SEmpre eloquente, branco das neves, real amigo!
Talvez um dia venhamos a abordar um tema que aflorou: o marketing social.

o que me vier à real gana disse...

maisvaletardedoquenunca, estás em linha? Não és uma menina?

Anónimo disse...

Boazinha gana?????

maisvaletardequenunca disse...

o anónimo anterior era eu

o que me vier à real gana disse...

Mau, agora é um anónimo em vez do/a maisvalet...?

o que me vier à real gana disse...

Ah!!! Mas és uma ou um? Tenho que meter tv nisto!

maisvaletardequenunca disse...

Deves estar a confundir-me???
Boazinha???

o que me vier à real gana disse...

Pronto ok. Mas como posso eu confundir... Vou obrigar cada um de vós a postar com foto.

maisvaletardequenunca disse...

Brincadeirinha sr gana
Para dizer mal da bola, só podia mesmo ser uma mulher, mas dizer-me "boazinha"!!!!
Olhe que ainda se arrepende.

o que me vier à real gana disse...

Ora onde é k eu ia?... Ah!, Mirtota, pois quis mesmo despertar para o assunto.

o que me vier à real gana disse...

Pronto, mázona. A (será que não é!? Que sa lixa!) mais... é mázona!

maisvaletardequenunca disse...

Não era nesse sentido, mas está bem eu relevo!

o que me vier à real gana disse...

retomendo: josé terra, muito bem!

o que me vier à real gana disse...

Eu sabia, maisvale..., que tu eras (és) boazinha!

maisvaletardequenunca disse...

Beijinhos e até amanhã.

o que me vier à real gana disse...

maria roza... o máximo!

o que me vier à real gana disse...

Boa noite, maisvaletardedoquenunca!

bacano disse...

Já dei uma voltinha porv aqui. É engraçado sim.

é ou não é? disse...

Ninguém me diga mal do Scolari. Foi o único selecionador que teve a CARIDADE de unir os portugueses em nome da SELECÇÃO NACIONAL!

Anónimo disse...

é ou não é, estou contigo. Força Scolari.

bacano disse...

Venham os jogos. Façam jogos de solidariedade, os outros que cá ficam.

é ou não é? disse...

Vocês ranhozam muito contra os que ganham balúrdios mas acho que é só dor de cotovelo. Queria-vos ver a vocês todos, seus moralistas de meia-tigela, a ganhar como eles, a ver se vocês " caridavam ". O tanas
é que caridavam.

maxmen disse...

Boas a toda a comunidade!!!

Em primeiro lugar, quero pedir desculpa ao amigo gana, porque não estou com muita vontade de comentar acerca do post.

Acabei de ouvir uma gravação da saudosa RADIO ENCRENCA e apeteceu-me transcrever aqui dois poemas do Grande Califa...

BARRINHA

Barrinha de mansas águas
Barquinhos a navegar
Quem te deixa leva magoas
De tão cedo te deixar

O sol cai à tardinha
Sobre essas águas e chora
Se não vê sobre a Barrinha
Os barcos àquela hora

Inspiras aos namorados
Suas promessas de amor
Que passeiam enliados
Nesse teu esplendor

A noite silenciosa
Manda a lua para escutar
Mas ela toda amorosa
Também os quer abraçar

Esconde-se aos bocadinhos
E em seguida aparece
Se os vê a dar beijinhos
Às vezes empalidece

Vem depois e de mansinho
Escutar nos arvoredos
Depois de ver o beijinho
Quer saber outros segredos

E tu Barrinha tens magoas
Porque tu não és assim
Vês tudo nas tuas águas
Guardas tudo para ti


------------------------------
PRAIA DE MIRA

Praia de Mira
És qual princesa encantada
És uma pérola incrustada
No mais brilhante areal

Praia de Mira
Basta a tua Barrinha
Para tu seres a rainha
Das praias de Portugal

Tens um valor genial
Para poetas e pintores
És o torrão imortal
De um povo de pescadores

Tu não queiras ser vaidosa
É mais bela a singeleza
Tu és assim mais formosa
Teu povo tem mais nobreza

Cercada de mansas águas
És formosa qual Veneza
Tuas casinhas de tábuas
Fazem-te a mais portuguesa

Anónimo disse...

Prontos, e nós é que temos que gramar com estas baboseiras! E depois o burro sou eu!?!?!
Ó sr. Max deixe-se de mariquices e comente como os outros.O ca raio é isso de radio encrenca? E lamechices e piegusices e pimbalhices a esta hora??? Tenha dó!!!!!!

o bairradino disse...

Pelo contrário, anónimo das 4:07, acho que o senhor maxmen fez bem em postar os poemas. Não sei de quem são, mas devem dizer-lhe muito. São sobre a Praia de Mira, que conhrço e muito aprecio, e devem ter sido escritos por algum nobre cidadão daí. Boa noite a todos.

Darwin disse...

Muito se fala hoje em dia sobre caridade. Mas o que é caridade? Grandes gestos benemerentes? Doar milhões para instituições de caridade? Aparecer na televisão levantando "bandeiras"?

Pessoalmente gostava de saber e acho que todos os cidadãos que contribuem, têm o direito de saber, qual a eficácia na utilização do dinheiro da caridade?

A caridade é para mim, a virtude carismática da evolução, mas não a entendo na forma como a expressam...para mim, caridade em absoluto, é uma virtude de prevenção para que o mal que atinge a humanidade em qualquer aspecto, não o possa atingir...é realizar no tempo certo, com vontade férrea, mil e uma possibilidades para que a humanidade não sofra, prevenir situações de miséria, alfabetizar, empregar...
Pensem com maturidade... caridade é prevenir os estados de pobreza, retirando as populações da miséria em que se encontram e mostrar-lhes que existe uma qualidade de vida a que todos têm direito, respeitando obviamente os limites de cada um, mas ajudando todos eles a que dentro dos seus limites desenvolvam as competências necessárias para que não tenham de depender da caridadezinha.

Solidariedade? Claro! E o provérbio "Se vires um pobre não lhe dês um peixe, ensina-o a pescar" só faz sentido se, enquanto está a tirar o tal mestrado de pesca, o pobre não morre de fome antes dos exames.

Frank Zé P disse...

No ano de 1333, houve em Portugal, uma fome terrível, durante a qual nem os ricos foram poupados. Foi nessa altura que apareceu D. Isabel uma padeira muito famosa que também ficou conhecida por padeira de Aljubarrota e que andava a distribuir pão aos pobres.
Num desses dias de distribuição, apareceu inesperadamente o rei que era muito mau e pretendia acabar com os pobres todos. Isabel que pretendia era acabar com os ricos, temendo que ele lhe ralhasse, escondeu os pães no regaço. O rei percebeu o gesto e
perguntou com ar de maroto:

- Que tendes no vosso regaço?
D. Isabel também conhecida por Isabelinha, disse com voz trémula:
- São rosas, senhor.
O rei replicou:
- Rosas em Janeiro? Deixai que as veja, disse o rei, piscando o olho a um dos pajens.
Isabelinha abriu os braços, e, no chão, para pasmo geral, caíram… caíram pedacinhos de broa.
O rei não se conteve e beijou as mãos da esposa. Pensava que era pão! Pensava que era pão! Disse o rei mau.
Os pobres gritavam: Milagre, milagre!

D. Quixote disse...

O prometido é devido. Aqui esrou a marcar presença e a mostrar que leio o teu blog, meu caro!
Gostei da repostagem sobre a caridade. às vezes caridade pode consitir apenas num sorriso, numa palavra amável.
Prometo voltar.

Geremias disse...

Portugal é um país de extremos. Ainda recentemente alguém falava em doença bipolar. Oscilamos entre o optimismo, sem fundamento, e o pessimismo depressivo. Ou entre o facilitismo, típico de quem acredita em milagres e de quem sabe que tem de fazer pela vida.
É vergonhoso dizer isto: vivemos num o país do futebol (apenas real para alguns) onde existe maior desigualdade social da Europa, onde milhares de pessoas são pobres apesar de trabalharem marido e mulher.
O mais incrível é que à medida que diminui o número dos que se dizem religiosos, aumenta o número dos que se propõem fazer milagres. O milagre da economia, o milagre da selecção, o milagre da descoberta de petróleo, enfim.
O tempo está para os vendedores de milagres!
Acredite neles quem quiser.

Zé espreita disse...

E se fossem gajas caridosas?

Anónimo disse...

Esta é para o Geremias: Também há casais que ganham muuuuito bem mas que acham que por isso podem ascender a todas as mordomias que vêm nas revistas cor-de-rosa, nas novelas, nos filmes...E então vá de comprar casas e equipá-las luxuosamente, carros de marcas sonantes, roupas de marcas 5 estrelas, e tantas banalidades...
Depois, claro que ao fim do mês, por melhores que sejam os ordenados, não conseguem fazer face às despesas.

Anónimo disse...

Amigo Geremias não concordo consigo quando escrece: que o tempo está é para os vendedores de milagres.-..
Não, para mim...o tempo está para as pessoas de boa vontade, que são capazes de olhar para quem está ao seu lado e tudo fazem para lhes minorar as dificuldades...
Como diz o D. Quixote...Caridade pode também ser apenas um sorriso, uma palavra amável...é mesmo isso, nem só o pão resolve os problemas...no entanto uma barriga vazia, recebe melhor um sorriso se lhe derem alguma coisa de comer...!!!

É verdade também o que alguns dizem: há muita gente que não quer trabalhar, que são desgovernados e gastam o que têm e não têm...em bebida ou em droga...mas esse será talvez muitas vezes o caminho mais fácil...se não tiverem esse sorriso ou essa palavra amiga...!!!

Ao Estado não compete fazer tudo... nós cidadãos anónimos,podemos também fazer muito, não nos substituindo ao Estadso...mas complementando-o...

Não podemos é desistir...!!!

Quem garante a qualquer um de nós que por aqui vamos passando...que não seremos os pobres de amanhã...???

Obidense

Amigo de todos disse...

Só o tolo confunde o valor com o preço e os que acreditam que com dinheiro tudo se pode fazer, estão indubitavelmente dispostos a fazer tudo por dinheiro.

Amigo de todos disse...

O dinheiro pode comprar uma cama, mas não o sono;
livros, mas não a inteligência;
alimentos, mas não o apetite;
uma casa, mas não um lar;
medicamentos, mas não a saúde;
luxos, mas não a cultura;
divertimentos, mas não a felicidade;
um passaporte para qualquer lugar, mas não para o Paraíso.

Amigo de todos disse...

Não anda ninguém por aquí?????????????? Logo hoje que me apetecia escrever!!!!!!!!!!
ELLOOOOOOOOO!!!!!!!

Geremias disse...

Anónimo das 13:11 e anónimo seguinte
É por isso que eu tenho tido dificuldade em integrar-me neste blog, que, aliás, tem intervenções interessantíssimas e de excelente qualidade.
Há um ditado russo que diz: “Não se acende uma lareira com a promessa de lenha”. Mais ou menos assim pq agora n me lembro bem.
Se repararem nas notícias do sapo de hoje, verão que Mário Soares (Não quero politizar nada disto mas, é incontornável) pede ao Sócrates e ao PS, para reflectirem sobre a pobreza.
Não se pode confundir aquilo que são factos que é o “normal” na sociedade portuguesa, com a excepção.A “norma” entre a classe média baixa, é haver milhares de casais que apesar de trabalharem continuam a ser pobres. (Ao que se deve juntar muitos mais milhares pelas razões que invocam, de ambição, negligência, disfunção familiar ou simplesmente por azar, se viram envolvidos em situações de pobreza extrema.
Mas eu nem precisava de dar explicação nenhuma pois os dois deram a vossa opinião e a resposta que eu poderia dar: “sorrisos e boa vontade não enchem barriga (Tb me parece existir alguma confusão entre amizade e caridade)
Neste caso o melhor é cingirmo-nos aos factos: Portugal é o país mais pobre da Europa. Não somos nada um país solidário, nem de caridade nenhuma. Somos um país de caridadezinha, de oportunistas e de grande insensibilidade é por isso que somos os mais pobres. Neste país quem ganha 5000 € não está disposto a abdicar de metade em prol da pobreza e se lhe tocarem no ordenado fazem parar um sector da sociedade. Exemplo? Os juízes que poderia ser utilizado para todos os sectores bem remunerados deste país.
Apesar disso respeito a vossa douta opinião.

Frank Zé Pá disse...

Ó Geremias Nunca te que na vida há coisas essenciais e outras que também fazem muita falta.

Frank Zé Pá disse...

Queria dizer que nunca te esqueças que na na vida há coisas essenciais e outras que também fazem muita falta!

Anónimo disse...

Esta frase não tem graça.

Anónimo disse...

Esta frase não tem Maria da Graça

Zé espreita disse...

Já não se fala de gajas?

Anónimo disse...

O ditado é: "Não se aquece uma casa com a promessa de lenha"

Geremias disse...

Obrigado anónimo

Darwin disse...

O seleccionador Filipe Scolari, apresentou com “pompa e circunstancia” na televisão e em horário nobre o nome dos 23 escolhidos para representar Portugal na fase final do Euro 2008.
Desta vez o primeiro “choramingas” foi Maniche que veio a público contestar as decisões do Seleccionador Nacional dizendo: “buaa... mas ele tinha-me prometido que me levava ao europeu, esse gajo é um sacana!”
É bem verdade que o Scolari leva outras “nódoas” como o Maniche nos convocados, mas ele é apenas Seleccionador e não Milagreiro, em falta de melhor tem que levar o “menos mau” e, definitivamente, o senhor Maniche, que não tem jogado no seu club, não se encontra nesse grupo.
Eu acho que ainda estão a tempo de emendar o erro... deveriam levar toda a gente, inclusive o Roberto Leal para cantar o Hino do Euro.
Até pode ser metade em português e metade em português (do Brasil)...assim sempre dava para todos ficarem contentes.
Jogadores portugueses....o Deco...o Pepe...e todos os empregados do Mc Donalds....Não acham?
E depois há o “nacional-porreirismo” que está ligado com o umbigo ao nacionalismo bacoco. O Sr. Augusto Inácio, num comentário na sport-tv, diz que os jogadores só obedecem melhor a Scolari, porque ele é estrangeiro!!
Ó Inácio! Vai-te encher de moscas e se possível pela boca abaixo, para não dizeres tantos disparates, pá!
Eu, sinceramente, prefiro ouvir comentadores desportivos na televisão, do que ler banda desenhada do tipo Hentai. Vejo-me aflito para não cair de tanto riso.

alfacinha disse...

boa, frank zé pá!

alfacinha disse...

boa tamém ao amigo de todos e ao darwin! Boa também geremias.

Zé espreita disse...

Um jogo de futebol joga-se.
Não se diz puta...

Anónimo disse...

O que é que este quer?

junior disse...

pois axo k se todos dessem 1€ ja seria possivel fazer algo...

silvana disse...

Boa noite pessoal da Gânia.

austríaco disse...

Olá pessoal, há uns tempos que não venho cá. Gostei da piada zé espreita às 17:12

silvana disse...

OI, pois é. Aquilo está engraçado.

silvana disse...

Então não anda mesmo por aqui ninguém? Ok ganenses. Até amanhã.

manuel disse...

É pá, deixámos a Silvana sozinha. Isso não se faz, isto não é caridade nenhuma.

o que me vier à real gana disse...

darwin, ecelente! De ler, o comentário de darwin (sobre o post -caridade) às 11:02 de hoje, dia 27.

o que me vier à real gana disse...

Este frank zé pá... não há palavras!

o que me vier à real gana disse...

Ok, D. quixote, obrigado!

Márcia disse...

Relativamente à pobreza em geral a culpa é dos que amealham mais do que aquilo que podem gastar numa única vida.
Chega a ser imoral a ganância que é exclusividade do ser humano!
Apontem-me outra criatura do reino animal que se esfalfe diáriamente a trabalhar, que não tenha tempo para contemplar a Vida na sua plenitude, por estar muito absorvido a mealhar para o futuro. Dessas criaturas, só a que é considerada mais inteligente, o Homem, tem a veleidade de pensar que nunca chegará o fim da sua existência. Naturalmente que o trabalho é salutar, mas trabalhar
de forma exaustiva, ( chegando-se ao cúmulo de se olhar com desdém para os que preferem ser moderados ) a fim de garantir um rol de bens supérfluos, sem analisar que para uns terem em excesso, outros abundarão em privações. E eu não estou a falar daqueles que almejam tão sómente algum conforto. Falo sim dos que têm palácios revestidos a ouro, dos que gastam fortunas em jogos, dos que pagam exorbitaãncias por manjares raros, etc.
Quantos haverá por esse mundo que nascendo com potencialidades para desenvolverem projectos credíveis, se resignam à medíocridade profissional por não lhe ser dada oportunidade de mostrar o seu valor?
Haveria tanto a dizer sobre este tema que não caberia em dez posts.
Mas compete aos que governam este mundo a tarefa de ponderar e equacionar a forma de distribuir as riquezas que abundam, de forma a inverter o actual panorama mundial.

o que me vier à real gana disse...

geremias, igualmente excelente. Só uma coisita: o pessimismo por vezes tm carece de fundamento.

o que me vier à real gana disse...

Continuai bem-dispostos, cidadãos ganenses!

o que me vier à real gana disse...

Márcia, bem-vinda! De ler, o comentário desta nossa nova co-comentadora.

alfacinha disse...

Olá, por aí alguém?

alfacinha disse...

Está toda a gente a ver a novela.

Anónimo disse...

onde estãm fotos''?

o que me vier à real gana disse...

anónimo, agora é mais... vídeos!

maisvaletardequenunca disse...

Gostei Márcia

Frank Zé Pá disse...

Antes de mais queria pedir ao Gil para ver se consegue disciplinar o blog. Fala com eles pessoalmente.

A propósito de poupar não resisto a contar uma história já velhinha mas que penso adequar-se ao tema.

Certo dia um grande magnata que havia poupado toda a sua vida e havia construído um grande grupo empresarial, tipo Champallimaud, sentiu-se mal e foi ao médico. O médico observou-o e no final apresentou-lhe o seguinte diagnóstico:
- Caro amigo o senhor está mal do coração. Está mesmo muito mal. Se não alterar rapidamente o seu modo de vida, não lhe dou mais que uns 6 meses de vida. O stress e o trabalho vão acabar consigo.
- Mas o que é que eu posso fazer doutor? Perguntou o magnata.
- Olhe, pegue numa cana de pesca e vá para um sítio calmo, tipo Amazónia onde não haja confusão e dedique-se à pesca. Vai ver que ainda pode durar uns anos bons.
O Magnata não teve outro remédio senão seguir o conselho do médico.
Apanhou um avião para o Brasil e assim que desembarcou, comprou de imediato um barco, para poder viajar pelo rio amazonas, para o mais longe possível da civilização. Quando chegou a um sito recôndito da floresta parou o barco, pegou na cana de pesca e pôs-se a pescar. Estava ele muito tranquilo a olhar para a bóia, quando chegou um nativo com uma vara de bambu para pescar.
- Bom djia. Disse o nativo
- Bom dia. Disse o magnata.
- Então já pescou algum peixe cara?
- Ainda não.
- Mas vai sair cara, vai ver qui vai sair.
- Mas diga-me. O senhor já não tem propriamente idade para andar à pesca. Que idade tem?
- Eu tenho 110 anos feito na semana passada. Graças a Deus né?
- O senhor tem 110 anos?!!!
- Sim craro. Papai mi pediu para vim apanhar peixe p’ró jantar.
- O senhor com 110 anos e ainda tem pai?!!! Perguntou de novo o magnata muito admirado. Você só pode estar a brincar comigo.
- Não tou não, cara. Papai ficou lá na aldeia tomando conta di vôvô que está ficando um pouco biruta da cabeça e só vive pensando em moça nova.
- Não! Está mesmo a brincar comigo.
- Tou não, cara. Si você quiser, pode vir lá na aldeia e ver com seus próprio olho.
Em poucos minutos o velhote encheu uma cesta de peixe e convidou o magnata a visitar a aldeia. Enquanto iam andando o magnata disse ao velhote.
- Ouça lá. Com esta facilidade toda para apanhar peixe, porque só encheu essa cesta?
- Porque é suficiente para toda a família. Respondeu o indígena.
- Mas você podia levar uma cesta maior e enchê-la de peixe. Observou o magnata.
- P’ra quê? Perguntou o velho.
- Podia vender o excesso. Respondeu o magnata.
- P’ra quê? Perguntou de novo o velho.
- Depois, com o dinheiro que ganhava, podia comprar um barco, por exemplo.
- P’ra quê? Insistia o velho.
- Com o barco cheio de peixe, podia ganhar mais dinheiro e com esse dinheiro podia comprar outro barco.
- P’ra quê? Insistia o velho.
- Depois, com dois barcos a pescar podia ganhar muito dinheiro e podia comprar uma frota de barcos, carros para vender peixe, armazéns para salgar e congelar….
- P’ra quê? Insistia o velho.
Foi nessa altura que o magnata reflectiu no que estava dizendo e disse baixinho para o velho:
- Depois, depois… ía ao médico e ele dizia-lhe para arranjar uma cana e ir à pesca…
- É o qu’eu tou fazendo, né?