terça-feira, 30 de junho de 2009

Como pode ela marrar, se ele é que possui os instrumentos?!

COMO PODE ELA MARRAR, SE ELE É QUE POSSUI OS INSTRUMENTOS?!


Trrim, trrim, trrim… As possibilidades do digital têm a capacidade de nos confundir com a maior das levezas: como poderia ele, num bolso que de tão exíguo ser até se mostra, convenhamos, desusado, transportar um daqueles vetustos calhamaços pretos, por cordão umbilical espiralado ligado a auscultador, também ele em absoluto nada fora da esfera do calhamaçado?! Como pode?!... O aparvalhamento logo terminou, como já adivinha o leitor. Heitor sacara do minúsculo multifunções que também dá para telefonar, e atendeu: sim, diz Heitor, amigo do amigo do primo de um amigo de um amigo meu, que foi quem mo contou, doutro modo não saberia eu que as coisas assim se passaram… ou quase, que também não me passa ao lado o conhecimento de que se ao conto cada um acrescentar o seu ponto… de vista… Mas, continuando, ouvira Heitor, de imediato, o seguinte: não tens o meu número gravado?!; ah, és tu, Luísa?; sim, quem querias tu que fosse?; ninguém, querida, desculpa…peço que me desculpes, tá? É que deve haver aqui alguma confusão nas entranhas deste télélé. Imagina tu que ainda ontem me telefonou o Cavaco e eu disse sim Dr. Mário, como vai a Dra. Maria? Imagina tu!... Tenho que trocar isto. Deve ser resultado do impacto da semana passada, lembras-te?, quando o mandei, com quanta força tinha, à parede do quarto da tua residência académica, depois de te ter apanhado a brincar toda nua com um colega teu que, como tu, também tem gostos duvidosos… Também brinca todo nu e na cama! Quantas vezes falámos, sim, nas outras situações quejandas, que não fica nada bem brincar nu?... Quantas vezes me disseste sim tens razão, não volto a tirar a roupa pr,a brincar… Mas voltaste, e eu, pimba… telemóvel contra a parede. Se calhar é mesmo disso. Tenho que trocá-lo!... Mas espera lá!, está aí alguém contigo… e está a rir… a rir muito. Tens isso em alta-voz, é? Quem é que está aí a rir?... E tu também, por que ris tu?; não te preocupes, sou eu que estou aqui a brincar com um colega… mas não é o outro, é outro… não te chateies! Ah, e estamos vestidos. Estamos a brincar vestidos, tá?; assim está bem! Mas afinal o que é que querias?; era só pedir-te que não viesses cá esta noite, é que vou aproveitar e vou marrar toda a noite pr’ó exame de Sexta-Feira; assim é que é. Dá-lhe com força! Pronto, estuda muito e um beijo grande… E ela, já numa embrulhada de genuínos gemidos: beeeijo grandão.




Carlos Jesus Gil

22 comentários:

Ana Maria disse...

Texto interessante!
Beijinhos de boa noite.

Deh Bee disse...

e quem vai entender as mulheres? bju!

Italo Lemos disse...

Quem não sabe o significado de cada uma dessas palavras não tão convecionais que você usou, dificilmente vai entender o que você quiz dizer! Mas isso torna o texto interessante e instiga a leitura! Muito bom. Faz tempo que não vejo um texto assim! Parabéns!

linda disse...

ei, é marota a gajinha eheheheheh

bj

Laurindo disse...

Boa gil!ahahah

Toninho Moura disse...

Acho que você precisa de um plano de telefonia que tenha prevenção à encontrar tua mulher nua quando ligar para ela.
É claro que é preciso considerar que nenhum plano de telefonia dá garantia plena de funcionamento.
Pensando bem, jogue nela um telefone fixo.
Braços!

ci disse...

é tudo uma questao de manipulaçao...

Beijo da ci

Carla disse...

muito bom este texto

para te dizer que já há post nos "Desalinhos" sobre a apresentação do livro "In-Finitos Sentires"
beijo

loirinhaquenãoédeaveiro disse...

rsrsrsrsrs toa demais!!

Jéssica a Maior disse...

Noooossa...interessante mesmo seu texto....aliás isso eh de portugal não?!

Mas ta muito curioso e atraente!!!! ^^

Parabens!

εïз εïз Doce Essencia εïз εïз disse...

Querido Carlos

Obriada por tua doce visita.
Muito me alegra o coraçao,e espero que possa ver tua bela essencia pairando em meu Jardim...vem,ca estou a lhe oferecer um canto neste imenso Jardim que cultivo,para belas borboletas como tu,venham e repousem com tranquilidade.
Realmente o texto e de otima qualidade e no dia que alguem conseguir entender nós as mulheres..ah meu amigo..o mundo sera muito melhor...rs

Doces Beijos

Doce Essencia

dragao vila pouca disse...

Façam amor e não guerra, que o amor livre é que é!

Ganda Gil liberal...Mas olha que já conquistamos o Brasil há muitos Séculos!

Um abraço de Dragão

dragao vila pouca disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anónimo disse...

Olhem que o gil é o gajo que lá estava com a namorada do outro ahahahahah desculpa gil

Táxi Pluvioso disse...

Sim o telemóvel mudou a mente dos lusos. Ficaram mais tolerantes, ainda bem!

batutaemeia disse...

És brincalhão como o caracitas rsrsrsrsrs

aa disse...

Mas desta vez ainda avisou para evitar surpresas e a completa destruição do télélé...:-)
'Ganda' maluka:)))
Uma boa noite para ti 'gana'...
Beijos,

AA

Mariazita disse...

Lí este texto já várias vezes. Porquê? Porque gostei, claro. Muito.
Mas confesso que para o comentar me vejo em “palpos de aranha”. Isto porque me desperta vários sentimentos, a maioria dos quais difíceis de explicar.
O último, e sem querer dar-me ares de puritana, que não sou, talvez se possa chamar de “náusea”- porque abomino o fingimento.
E mais não digo, a não ser que…adorei o teu
comentário. Obrigada!
Bjs
Mariazita

joana disse...

é pá, sabemos que isto é ficção mas tá cá com uma pinta rs

Anónimo disse...

A historieta está um bocadinho confusa e parva mas até é simpática.

Graça disse...

a tua capacidade criativa, mesmo quando brincas, é indiscutível


eu gostei


muito



beijo e bom fim de semana

Anónimo disse...

Muito bom humor