segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

E o Alberto e o Albino também...

Outro capítulo?... Pronto, aí vai ele:




E O ALBERTO E O ALBINO TAMBÉM…
VI


DE ONDE VÊM; O QUE FAZEM


Pois!..., já vai sendo tempo de desenhar melhor aquela gente
- Rapazes, apareçam!
- Diz, narrador; - Sim, narrador.
- Alberto, Albino, aqui vai:
- Aqui vai o quê, criador?
- Albino, por favor não me chames criador. É forte demais, não se ajusta a quem calça sapatos. Anda tudo por aí, ninguém cria nada. Caça, aquilo a que chamamos criação artística não passa de caça. Envolve elevação, sim, daí se distinguindo da outra, mas é caça.
- Seja, tu é que sabes.
- Bem, quero dizer-vos que já apanhei a vossa definição, querem ouvir?
- Claro, vamos a isso; - já não é sem tempo!
- Têm razão, mas estas coisas dão trabalho. É necessária muita espera. Vamos lá:
- Alberto, tu és oriundo da Beira Litoral, de uma aldeiazinha algures no distrito de Coimbra. És filho do senhor Amílcar e da dona Deolinda, agricultores, daqueles que vêem a agricultura como uma religião. Nasceste a 29 de Abril de 1972. Tens, portanto… é só fazeres as contas!
Quanto ao ofício, voga por aí informação de que és um brilhante sociólogo.
- Sociólogo?!
- Sim, querias ser o quê? Talvez proxeneta!...
- Não pá, está bem assim. Aliás, está óptimo. Bela profissão! Já agora, onde é que fiz o curso?
- Em Coimbra. Com hercúleo esforço dos teus pais (só Deus e eles sabem!...), frequentaste a vetusta academia.
- Portei-me bem ou fui mais um Afonso?
- Portaste-te muito bem. Não obstante não teres falhado nenhuma festa académica nem similar, também não falhaste qualquer ano. Foste, em termos discentes, exemplar. Os teus velhos (velhos o tanas!... Às vezes sou cá um insensível do carago. Mas também isto não passa de um tique geracional, convenhamos. A malta não quer faltar ao respeito…) muito se orgulham de ti.
Caríssimo Alberto, estás cá com um mijo do caraças. Conheces a Angelina?, aquela actriz…
- A Angelina, pá? A minha esposa vai ser a Angelina?
- Calma, Alberto. Não, não vai ser ela. Só estava a ver se a conhecias. Já agora, era uma pergunta retórica, pois se ainda não vives realmente… Se ainda só emergiste meia dúzia, ou menos, de vezes. Para que é que estavas aí com coisas… como se a conhecesses. Bem, de qualquer modo a reacção que tiveste é a que teria qualquer homem em plena posse de todos os argumentos. Mas não, não vai ser ela. Vai ser uma menina de 26 aninhos, natural de Viseu, chama-se Helena e é enfermeira de profissão.
Camarada, vou contar até três. No final da curta contagem estarás na posse da tua nova vida e de tudo o que lhe é inerente: um, dois, três. Boa sorte Alberto!
- Narrador, isto é bom pá. Estou no sofá com a minha mulher…
- Pronto, chega por hoje. Olha, vou ter que deixar o Albino para outro dia. Depois compensá-lo-ei. Adeus Alberto!
- Adeus narrador, isto é o máximo!
- Com quem é que estás a falar?
- Deixa pr,a lá, Lenita!...


Carlos Jesus Gil

19 comentários:

Águia Real disse...

Boa. Ganda Maço.

Anónimo disse...

Cada vez melhor

Ana Maria disse...

Tenha uma noite sonhadora!
E acordando na manhã de terça, tenha sucesso e realizações.
Beijinhos carinhosos!

Táxi Pluvioso disse...

Tango! Surrealizar um quarto.

Rádio por encomenda.

dragao vila pouca disse...

Meu caro amigo, ainda faltam muitos episódios? Alberto e o Albino são gémeos? Vai morrer algum? O Alberto vai casar com a ex-namorada do Albino? O Alberto...
Um abraço

Darwin disse...

Epá, gosto deste narrador omnipresente, que relata os acontecimentos de forma parcial, toma posição, emite juízos de valor face aos acontecimentos. Conhece os sentimentos, os pensamentos e o íntimo das personagens (como se fosse um deus que tudo sabe).

PS: O Narrador não deve ser confundido com o autor, que é quem cria, inventa e escreve, é uma criação do autor, é ficção, é quem narra, está dentro da própria narrativa. Por isso nada de confusões.

Ferreira-Pinto disse...

Este enrdeo começa a prender, cada vez mais!

batutaemeia disse...

Estou com o senhor Ferreira-Pinto. O enredo começa a prender cada vez mais.
Senhor darwin, tem razão. O narrador também é uma personagem. Não é o autor.
Isto é ficção, mas confunde-se tanto com a realidade. O gil está a querer falar dela através destes três rapazolas, que como toda a gente têm defeitos e virtudes.
Está cativante

Anónimo disse...

Aquela do proxeneta tá demais, lol

Laurindo disse...

Boa. continua a dar-lhe. há humor nestes assuntos sérios. Continua

aa disse...

Este Alberto surpreendeu-me... muito bem... um brilhante sociólogo... e teve que se esforçar para o conseguir... cada vez gosto mais disto... já estou ansiosa por conhecer um pouco mais do Albino...

JE disse...

Só gostava de saber quem raio é esta Ana Maria que anda sempre a mandar melaço aqui ao meco do Gil.
Anda cá mais rapaziada, ainda não viste Aninhas? É pá manda também uns beijinhos cá pró "je".

xistosa - (josé torres) disse...

Isto é coisa para quantos "ipisódios"?
É que quem não apanha o Alberto, o Albino e o Narrador, já não acerta o passo, ou será Paço?
Só pode ser mesmo Paço, mediante a narração.
Com que então a "Lenita"?
Coincidências do caraças e coincidentes ...

(agora tenho andado um pouco fugido. Não posso apanhar frio, cansar-me, irritar-me, tenho que me deitar cedo, não posso comer gorduras, beber, fumar já não fumo há cerca de 13 ou mais anos e ... "tu Margarida não chores que esta vida são dois dias".

Para cúmulo, apanhei ..., não, não foi isso, foi um vírus, "Disk Knight", que me inferniza a vida todos os dias que ligo o portátil.
E pelo que me disseram, de momento não há remédio para o XP, Pack 3.

Como não percebo nada disto, acredito piamente nos fóruns ...

Um até já!!!

maxmen disse...

Boas a todos!!!

Quero pedir desculpa ao maço por não comentar o post primeiro, mas é para ajudar aqui o xistosa...

para remover o Disk Knight procura aqui:

http://www.deg.isep.ipp.pt/node/53

cova-do-urso disse...

Bom humor por aqui. Faz muita falta nas nossas vidas.

Parabéns.

António Rosa

pintor disse...

Belas pinturas da sociedade. Gostei

Laurindo disse...

É JE não te escapa nada.
É pá, será que as esposas do Alberto e do Albino são assim tão boas como o narrador diz? Se forem boas pessoas já é muito bom

Laurindo disse...

Ah, e há aí um anónimo que diz, e com justiça, que aquela do proxeneta está demais. Mas e aquela da Angelina? cá para mim está de partir.

fizz de limão disse...

è uma grande repostagem, esta. vale sempre a pena reler aquilo que é bom! coninua. somos via de regra pessoas desajustadas cujos corpos sutis estão desalinhados, pois pensamos uma coisa, dizemos outra e agimos completamente diferente. Enfim: "malucos", "pirados".