sábado, 30 de janeiro de 2010

Se houver destino, não há pecado?; se tudo estiver escrito, não há pecado?

SE HOUVER DESTINO, NÃO HÁ PECADO?; SE TUDO ESTIVER ESCRITO, NÃO HÁ PECADO?




Difícil, não? Ele há coisas que nos fazem pensar que sim, que tudo está escrito; que nos limitamos a representar a Obra! Quando inflectimos, será que não o fazemos porque tal nos é imposto?, porque essa é a rota indelevelmente traçada no nosso livro de bordo, o papel que nos impõe o guião da nossa vida?
Pode ser assim, aliás, creio mesmo que é algo assim, mas não em absoluto! Pois acredito numa dose, difícil ou impossível de quantificar, de livre arbítrio – uma borracha e um lápis. Podemos apagar algumas das palavras do Livro, mesmo algumas páginas. O que está para trás permanece igual, para a frente, o Livro vai ser outro que não o pré definido, pois as consequências das nossas escolhas - das nossas apagadelas, dos nossos escritos -, ainda que limitadas, vão, enquanto causas, modificar sem retorno o desenrolar da acção programada.
De referir que a faculdade de apagar ou reescrever depende em absoluto das reais possibilidades mentais, cognitivas, fisiológicas, materiais de cada ente. Logo, Não será pecador aquele que não tenha real consciência do livre arbítrio, ou aquele que, tendo-a, não possui os meios para levar a cabo a tarefa. Todos os outros, desde que infrinjam a ética, a moral, os preceitos temporais e intemporais, pecam.
Terá Judas pecado? Difícil, não? Ele tinha a Possibilidade, pois diz-nos a História que era homem capaz, mas não seria aquele acto pré-escrito impossível de apagar?... Certo, tenho para mim, é que mesmo pecando, fora perdoado.
Trata-se apenas de uma achega!




Carlos Jesus Gil

20 comentários:

Flor disse...

Amigo A.A. desculpe mas só agora vi o seu pedido d ajuda..espero q teja melhor da imdizposisão!
Tomás Brigada pela resposta,deve ser isso mmo,apesar d eu ñ conhecer nenhum Viegas:)
Judas Traiu o Amigo Jesus,s traição é crime punível...Qto à palavra Destino,na minha opinião dá mto jeito usá-la qdo erramos...Foi o Destino!Num exº simples,combino ir ao cinema c/ 1 amigo e este desiste de ir...Destino de quem?!Livre arbitrio de quem?!Quem sai a ganhar???!!!...Tava escrito...então não há o acaso nem coincidências,certo?!Nós somos mm o efeito d mtas decisões d muitos(as causas).Dp importante p´a lei é saber se aquando do acto praticado o individuo tem consciência das consequências do mmo,Ok;mas se há destino e tudo tá escrito realmente os assassinos deviam ser "louvados" em vez d "castigados" pelo pesado fardo q o destino lhes deu d matar outrém...Penso ser este o pto "real" do teu ensaio...

Desculpem,mas pq gosto desta "reverência ao destino", escrita por Carlos Drummond de Andrade,vou alongar este coment e deixá-la aqui:
"Falar é completamente fácil, quando se tem palavras em mente que expressem sua opinião.
Difícil é expressar por gestos e atitudes o que realmente queremos dizer, o quanto queremos dizer, antes que a pessoa se vá.
Fácil é julgar pessoas que estão sendo expostas pelas circunstâncias.
Difícil é encontrar e refletir sobre os seus erros, ou tentar fazer diferente algo que já fez muito errado.
Fácil é ser colega, fazer companhia a alguém, dizer o que ele deseja ouvir.
Difícil é ser amigo para todas as horas e dizer sempre a verdade quando for preciso.
E com confiança no que diz.
Fácil é analisar a situação alheia e poder aconselhar sobre esta situação.
Difícil é vivenciar esta situação e saber o que fazer ou ter coragem pra fazer.
Fácil é demonstrar raiva e impaciência quando algo o deixa irritado.
Difícil é expressar o seu amor a alguém que realmente te conhece, te respeita e te entende.
E é assim que perdemos pessoas especiais.
Fácil é mentir aos quatro ventos o que tentamos camuflar.
Difícil é mentir para o nosso coração.
Fácil é ver o que queremos enxergar.
Difícil é saber que nos iludimos com o que achávamos ter visto.
Admitir que nos deixamos levar, mais uma vez, isso é difícil.
Fácil é dizer "oi" ou "como vai?"
Difícil é dizer "adeus", principalmente quando somos culpados pela partida de alguém de nossas vidas...
Fácil é abraçar, apertar as mãos, beijar de olhos fechados.
Difícil é sentir a energia que é transmitida.
Aquela que toma conta do corpo como uma corrente elétrica quando tocamos a pessoa certa.
Fácil é querer ser amado.
Difícil é amar completamente só.
Amar de verdade, sem ter medo de viver, sem ter medo do depois. Amar e se entregar, e aprender a dar valor somente a quem te ama.
Fácil é ouvir a música que toca.
Difícil é ouvir a sua consciência, acenando o tempo todo, mostrando nossas escolhas erradas.
Fácil é ditar regras.
Difícil é seguí-las.
Ter a noção exata de nossas próprias vidas, ao invés de ter noção das vidas dos outros.
Fácil é perguntar o que deseja saber.
Difícil é estar preparado para escutar esta resposta ou querer entender a resposta.
Fácil é chorar ou sorrir quando der vontade.
Difícil é sorrir com vontade de chorar ou chorar de rir, de alegria.
Fácil é dar um beijo.
Difícil é entregar a alma, sinceramente, por inteiro.
Fácil é sair com várias pessoas ao longo da vida.
Difícil é entender que pouquíssimas delas vão te aceitar como você é e te fazer feliz por inteiro.
Fácil é ocupar um lugar na caderneta telefônica.
Difícil é ocupar o coração de alguém, saber que se é realmente amado.
Fácil é sonhar todas as noites.
Difícil é lutar por um sonho.
Eterno, é tudo aquilo que dura uma fração de segundo, mas com tamanha intensidade."

Flor disse...

P.S.Claro q dedico estas palavras de C.D.Andrade a tds meus admiradores anónimos...

Je Vois la Vie en Vert disse...

Acho que as únicas coisas que não escolhemos são o nascimento e a morte. O resto é traçado por nossos pais quando somos pequenos, por nós quando crescemos e por tudo o que nos envolve. Alguns podem desafiar a morte ou escolhê-la na maneira em que vivem as suas vidas, às vezes perigosamente ou de maneira imprudente.
Não acredito muito no destino. A nossa vida tem muito a ver connosco e com o que decidimos fazer com ela.
É a minha opinião pessoal...

Hum, hum, queres fazer o que quiseres na vida por pensar que de toda a maneira és perdoado ? O risco é teu....;D Aqui na terra tudo não é perdoado e para além dela, quem sabe ?

beijinhos

Verdinha

Daniel Savio disse...

Carlos, eu diria que há um misto de fatos predeterminados e fatos que fazemos...

Mas como não sabe qual é qual, temos de lutar sempre para o melhor resultado...

Fique com Deus, menino Carlos Jesus Gil.
Um abraço.

anonimato disse...

Ora tretas! É claro que somos apenas joguetes do destino, só que gostamos de pensar que não. Se nem podemos controlar a nossa vida! Então que raio é que controlamos? Nada, nadinha, népias.É viver e deixar correr, é o que eu digo.

Táxi Pluvioso disse...

Não há pecado em querer ganhar umas trinta moedinhas.

Tomas de alencar disse...

Se está ou não escrito ,isso não é importante.
O importante , e isso sim, é que torna a nossa vida tão válida , é que desconhecemos tal verdade...

AZUL DRAGÃO disse...

Meu caro Carlos :

Tenho para mim que ,
com destino ou sem destino ,
somos todos pecadores !


Um abraço

Anónimo disse...

Estou com o Daniel e também com o sr. Azul Dragão. O gil lança aqui tema para uma eternidade.
Há um misto de destino e de arbitrariedade, penso. Jesus sabia que ia ser traído e penso que sabia por quem. Assim penso que tem lógica a pergunta do gil se é Judas pecador ou não. Penso que o gil acredita num ser supremo que comanda mas que nos deixa alguma manobra, e que acima de tudo perdoa.

Anónimo Sinaleiro disse...

Flor: pode avançar...tem prioridade por ter sido a 1ª a entrar no post.
Je Vois la Vie en Vert...é favor aguardar pelo meu sinal.
Tomás de Alencar: se é só para estacionar então pode avançar...com precaução.
Daniel: Aguarde que a Flor passe e tenha atenção às manobras do Tomas de Alencar.
Azul Dragão: Desculpe lá! Por razões óbvias (nick), você pode avançar 1º que a Flor.
Flor: PRIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII.....aguenta lá os cavalos.

Anónimo gaseificado disse...

Prooot!
Ups! Eh lá! Qué q'anda aí?

Murganheira disse...

É mesmo verdade, há coisas que nos fazem pensar, muito, e ainda assim continuar quase na mesma em termos de conclusões. Provavelmente é assunto só para pensar e deve estar escrito algures que não é suposto haver uma certeza, uma síntese, uma convicção derradeira. É filosofia, talvez, sem conclusões irrefutáveis. Haverá, pois claro, e sempre, o pecado associado, talvez ele próprio parte do escrito, e imputável ao seu autor ou às condições mentais, cognitivas e mesmo espirituais que o definem.
Parece-me bastante razoável a perspectiva do Gil, sobre o livre-arbítrio e o estado de consciência do autor/pecador. Aceitável, pelo menos, é. Parece-me, ainda, que "pecado" é uma definição volátil, alinhada com esse mesmo estado de consciência. Tal como o próprio livre-arbítrio.
Este assunto faz lembrar "a" frase célebre de Sócrates, "só sei que nada sei", que é como quem diz, quanto mais saber se adquire mais consciência temos de que há muito mais para saber, ou, mudando a perspectiva, as coisas parecem-nos sempre muito mais simples quando pouco sabemos.

Murganheira disse...

Subscrevo inteiramente o descrito pelo Tomás no seu comentário; apesar dos normais arreliamentos da vida - não lhe chamo contratempos, pois não o são, já que fazem parte da própria vida e a vida não é suposto ser só e sempre um mar de rosas feliz -, o livre-arbítrio é o sal da vida, e se lhe juntarmos outros condimentos, como o de viver sem prejudicar outros (por ex.), isto é, sem pecar ou evitando conscientemente o pecado, e ainda assim fazer por levar uma vida feliz, então chegaremos a uma certeza clara e reconfortante: é MUITO BOM viver.

1 abraço amigo Tomás.

Anónimo gaseificado disse...

Proooooot....prot...pfffffffffff...pô.
Epá...poças!

loirinhaquenãoédeaveiro disse...

Genial! Acho que a achega que aqui deixas é muito séria, e não dada aos gracejos que ainda por aqui andam. Há posts para isso. Gostei muito do comentário do Murganheira.

loirinhaquenãoédeaveiro disse...

Genial. Acho muito séria a achega que aqui deixas, e não dada aos gracejos que ainda por aqui andam. Há posts para isso. Gostei muito do comentário do Murganheira.

adelia vasques disse...

o pecado é filho do livre arbitrio, não do destino.....somos responsáveis pelos nossos actos, o recurso ao pensamento mágico é confortável na ignorancia e no contos de fadas....

Anónimo Obras Públicas disse...

Tem razão,estes gracejos sem piada nenhuma!Anónimo Sinaleiro está despedido.Eu ordeno que se faça aqui uma rotunda com uma Flor ao centro.

Anubis disse...

Agora temos uma loirinha armada em moralista! Era o que cá faltava agora. Aparece de quando em quando e ainda vem de peito cheio.
Oh minha amiga!!

Anónimo Cupido disse...

Bolas!Bolas! e corações...anda aqui alguém mesmo apaixonado pela Flor...Será Pecado?Ou coisa do Destino?...